O que você entende por Psicoterapia?

Uma definição considerada bastante coerente e didática é a proposta por Wolberg (1995 apud Sommers-Flanagan & Sommers-Flanagan, 2006, p.5): Tratamento psicológico de problemas emocionais no qual uma pessoa treinada estabelece deliberadamente um relacionamento profissional com o paciente para:
 a. eliminar, modificar ou diminuir sintomas existentes;
b. estabilizar os padrões perturbados de comportamentos;
c. promover o crescimento e o desenvolvimento da personalidade

Notem que a definição destaca como características de um processo psicoterápico a existência de objetivo (s) preestabelecido (s) e a configuração por meio de uma relação diádica entre um especialista e uma pessoa que solicita ajuda/ cuidado. É condição sine qua non para a realização da psicoterapia que o profissional possua um aporte teórico e um nível de experiência ou supervisão que possibilitem identificar as demandas do paciente, características pessoais, sintomas que denotem psicopatologias e técnicas que lhe permitam manejar o quadro a fim de prestar o auxílio demandado. Elementos comuns a todas as psicoterapias (Cordioli e Giglio, 2008):

 A psicoterapia se desenvolve em um contexto terapêutico, caracterizado por um ambiente de confiança e apoio, no qual o paciente acredita que o terapeuta irá ajudá-lo e que seu problema será solucionado;

 A psicoterapia deve proporcionar uma oportunidade para o paciente expressar suas emoções, reviver e revisar experiências passadas, percebendo as repetições no presente e encontrando novas formas de agir;

 As técnicas utilizadas pelo terapeuta são condizentes com um modelo explicativo sobre a origem e manutenção dos sintomas, fornecendo um método para sua resolução;

 A psicoterapia deve oferecer um ambiente no qual o paciente possa compreender e buscar soluções para os modos problemáticos de sentir, pensar e comportar-se;

 A psicoterapia deve proporcionar a oportunidade para novas aprendizagens, fazendo com que o paciente supere seus medos e evitações;

 É indispensável que o paciente reconheça a necessidade de mudança e do esforço pessoal para alcançar os resultados almejados.

Fatores ou agentes de mudança em psicoterapia (Cordioli e Giglio, 2008):

 Experiência afetiva – diz respeito ao clima favorável para expressar e compartilhar emoções e realizar a catarse, quebrando mais facilmente os mecanismos de defesa e tornando o paciente mais acessível e passível de tratamento.

 Aumento das habilidades cognitivas – ocorre através da aquisição e integração de novos padrões de pensamentos e de percepção, bem como pela promoção do maior conhecimento sobre si mesmo.

 Regulação do comportamento – trata-se da aprendizagem quanto ao controle de ações e hábitos e, consequentemente, a mudança do comportamento.

 Fatores Sociais: podem ser interpessoais, grupais ou sistêmicos – são intervenções junto ao ambiente social ou familiar visando mudanças nos modos de interação social. Técnicas Psicoterápicas em concursos públicos Além dos tópicos apresentados nesta introdução, são muito frequentes nos certames as questões que exigem simultaneamente conhecimentos de técnicas psicoterápicas, associados a descrições de problemas específicos, exigindo ao mesmo tempo conteúdos relativos às teorias que embasam as técnicas, e psicologia da personalidade ou temas de psicopatologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *